Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Google-Translate-Portuguese to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese
Sobre o site
O que você mais gosta do nosso site?
As fotos das galerias
As poesias premiadas
O concurso de poesias
Contribuições literárias
Tudo
Visito sempre
Visito pouco mas voltarei
Não voltarei mais
Ver Resultados

Rating: 2.5/5 (512 votos)




ONLINE
2




Partilhe este Site...





Saudações!

 

Esse site foi criado para que as pessoas possam conhecer o evento literário POESIAS SEM FRONTEIRAS e o Prêmio Literário Marcelo de Oliveira Souza.

Esse nome foi escolhido pelo fato de que a poesia é a mais nobre arte de se expressar e de unir povos, a poesia não tem fronteiras, não tem idade, tampouco credo e preferências.

Nossos eventos sempre esmeram-se em unir povos e culturas, por isso sempre acolhemos  não só o poeta, mas os estrangeiros dos quatro cantos  do mundo e também os jovens.

Inserindo-os  no maravilhoso mundo literário, rompendo fronteiras e estreitando laços.

As inscrições sempre são democráticas, onde participam desde o estudante, o lavrador, até o médico, engenheiro, professor e outras tantas profissões, cumprindo o nosso excelso objetivo de unir, aglutinando diferentes culturas e pensamentos, enriquecendo ainda mais a literatura universal.

* Aceitamos doações de qualquer valor que poderá ser feita via correios ou por conta corrente, o número se encontra junto ao título do blog, é só entrar em contato para combinarmos.

Ajude o POESIAS SEM FRONTEIRAS, divulgando  esse site, a cultura agradece.

 

 

 Embaixador da Poesia, nomeado pela Academia Virtual de Letras Artes e Cultura, MG; Ganhador do Prêmio  Personalidade Notável  2014 em Itabira MG ; Membro   da IWA  International Weitters Artistis – EUA ; da Sociedade  Ibero-americana de Escritores, Espanha; da Academia de Letras de Teófilo Otoni MG; da Academia Cabista de Letras, Artes e Ciências RJ; da confraria de Artistas e Poetas pela Paz – CAPPAZ; da Associação Poetas Del Mundo; do Clube dos Escritores Piracicaba SP;  participa de vários concursos de poesias, contos,  publicações em jornais e revistas estaduais, nacionais e internacionais  sempre conseguindo ser evidenciado pelos seus trabalhos louváveis; colunista do Jornal da Cidade, Debates Culturais, Usina de Letras, entre outros. Organizador do Concurso Literário Anual POESIAS SEM FRONTEIRAS  e Prêmio Literário Escritor Marcelo de Oliveira Souza,IWA.

e-mail:   marceloosouzasom@hotmail.com

facebook: psfronteiras

Doações em qualquer valor:

Conta Corrente Bradesco

Agência 3679

Conta 5920-0

Em nome do autor do projeto

Marcelo de Oliveira Souza

 



POESIAS DOS VENCEDORES 2010

POESIAS DOS VENCEDORES 2010

 

O SILÊNCIO E A PALAVRA

 

Silêncio é tão importante

Quanto a Palavra falada

Pois palavra liberada

Pela boca do falante

Segue solta, adiante,

E não volta mais atrás.

O silêncio é eficaz

Para evitar sofrimento.

Uma surge, num momento,

E o outro se desfaz.

 

A palavra é rompimento.

O silêncio é contenção.

A Palavra gera ação.

O silêncio é pensamento.

A palavra é movimento.

Cada parte está ligada

Ao oposto e semelhante.

Silêncio é tão importante

Quanto a Palavra falada

 

O silêncio é inefável,

E sendo, assim, indizível,

Impalpável e invisível,

É, pra nós, Inalcançável.

Grandeza incomensurável,

O Silêncio é o Nada.

Partícula não projetada,

De essência indissonante,

Silêncio é tão importante

Quanto a Palavra falada

 

Se o verbo é Deus-ação

O Silêncio é Deus-Essência

Portal de toda Ciência

Origem da Criação.

O que nos dá a noção

Que a palavra falada.

É, em si, interligada,

Ao Silêncio mais constante,

Silêncio é tão importante

Quanto a Palavra falada.

 

O Silêncio é transcendente

Palavra materializada

O Silêncio é como uma brisa

Que não se vê, mas se sente,

Cada uma, independente,

Tem função apropriada

Se a Palavra é chamada.

Silêncio vem adiante,

Silêncio é tão importante

Quanto a Palavra falada.

 

 

São forças em sintonia

O Silêncio e a Palavra

Um semeia, a outra lavra,

Na mais perfeita harmonia,

Quando há sabedoria

Na frase pronunciada.

Ser falante ou ser calada,

Exige exame constante,

Silêncio é tão importante

Quanto a Palavra falada.

 

Omissão ou sapiência,

Há naquele que se cala,

Pois o domínio da fala

É delicada ciência.

Só mesmo a experiência

Nos faz, da boca calada.

Uma forma equilibrada,

De viver mais radiante,

Silêncio é tão importante

Quanto a Palavra falada.

 

Hermes Gonçalves Monteiro

Recife Pernambuco Brasil

Vencedor do VI Concurso Literário POESIAS SEM FRONTEIRAS

2010

 

***************************************************

Complexa Vida

 

Vida

Difíceis caminhos

Muitos sonhos cortados.

Tomada de decisão

Consciência, solução

Dor da inquietação.

Vida

Perturbadoras indagações.

O mundo pesando nas costas

Fardo pesado.

Futuro, presente, passado...

Vida

Encontro com o desconhecido

Manhãs nebulosas, chuvosas.

Talvez o céu com azul infinito

E um jardim repleto de rosas...

Hoje

O sonho presente, a sorte

Amanhã

A ausência  do sonho, a morte!

 

Segundo Lugar:  Lenir Mattos de Moura – Arraial do Cabo – Rio de Janeiro - Brasil

********************************************************

O Som das águas

 

Cada pingo umedecendo a terra

Cada gota na face que caminha

Aquela aliada aos tufões e serra

Aqui lágrima no peito se aninha

 

Olhando a cachoeira vejo o som

O mesmo ritmo descendo, anistia

Vencendo a gravidade sai o tom

Fazendo melodia em eufonia

 

Chorando a chuva no meu telhado

A madrugada recolhe-se comigo

O pensamento viaja estremecido

Juntando o sonhar,   do eu contigo

 

Nas ondas, o gemido faz poesia

Bilhões de pingos em orquestra

Cantam, e eu absorta em harmonia

Entrego-me solidária nessa sestra

 

O rio nas enchentes toma espaço

Inunda feito mar, ao som final

Baila na correnteza e no mormaço

Qual música e serenata divinal

 

Entrego-me nesta hora matutina

O sono despojado, o sono aflito

E no encontro da hora vespertina

O corpo confabula amor contrito

 

Sônia Nogueira

Terceiro Lugar no Concurso Literário POESIAS SEM FRONTEIRAS 2010

Fortaleza Ceará Brasil

 

Maternidade

 

Brinca com as pombas

Beija o céu

Ruge como um leão

Numa savana imaginária

 

Corre, salta, joga

Rasga plantas

Faz partidas

É o general dos soldadinhos de plásticos;

 

Chora também

Rejeita comer a sopa

E aí lembras-lhe

Com um olhar apenas

 

A paz intemporal

De ter saído do teu ventre

Como punho de vida e riso

Neste mundo de fantasmas dançantes.

 

Menção Honrosa Internacional

Manuel Figueiras

Lisboa Portugal

 

 

Manquer

 

Anoiteceu,

E outra vez essa insônia

Que consome, corrói, dilacera,

Toma-me em angústias.

Tuas promessas foram em vão

Tu deixaste que os espaços entre nós

Fossem aumentando a cada ausência tua.

Não pertenço mais aos teus voluptuosos

E intempestivos rompantes de saudades.

Quero apenas os meus versos de volta, e nada mais.

Ficas com a minha paz.

Invadiste meu corpo

Com teus olhos verdes embriagados

De silêncio, de sonhos.

Tua música embalou minhas noites solitárias...

Tua voz adentrou nas madrugadas

E fez meu mundo girar.

Eu aceitei dançar contigo

Um último acorde,

Para poder fazer de ti

A poesias  mais linda

Que alguém já escreveu.

Tuas falas repetidas,

Teu egoísmo cego,

Tua liberdade mundana e metida

São os teus obscuros inatingíveis.

Eu sei que não saberei fingir sozinha

Que meus beijos não mais serão teus,

Não mais me derramarei em prosas

Para descrever-te uma vez mais

Deleitando-se assim incólume

Sobre a minha alma

Aquele tempo em que meus olhos

Teimavam em ser somente teus.

 

Menção Honrosa

Bianca Dalla Chiesa

Caxias -  Rio Grande do Sul - Brasil

 

 

Paixão Voraz

 

Que noite aquela minha

Uma das mais belas

Corpos suados, desaguando calores

Nós dois enroscados

Amei e fui amado

Que noite de lembrança,

Que  noite de açoite!

Meu amor seremos quatro

Eu, tu, o prazer e a noite

Que noite de volúpia!

Meu coração acelerou,

Você quis volver

E eu naquele amor voraz

Que hoje me fazes

Completamente feliz essa noite

Vejo teu simples vulto,

E teu corpo sereno

Teus cabelos pequenos

Como as noites sem luar.

Estavas ardente como vodca

E não pude te controlar.

Meu amor como és abstrata

E estás muito sensual

E brilhas como corais.

A noite foi o refúgio

Do nosso amor tão voraz.

 

 

Menção Honrosa Juvenil

Ezequiel Silva do Nascimento

Belém Paraíba Brasil